A Família


Somos a nova geração de uma família tradicional Portuguesa que sempre nutriu uma enorme paixão pela sua região de origem – o DÃO!

Foi há centenas de anos que a Família Melo topou as Terras de Azurara e assim foi achado o terroir do DÃO – o planalto onde se localizam as vinhas do vinho Julia Kemper.

Ao longo do tempo houve parcelas de terra – algumas vinhas – que saíram da esfera da Família mas tal como um boomerang, elas retornaram e hoje, uma parte, estão nas mãos de Julia de Melo Kemper.

Ao longo dos séculos a Família Melo sempre tocou as suas vinhas com o amor do agricultor que sabe fazer parte do todo magnífico de um terroir abençoado.

Como o bom pai de família, assim o agricultor Melo sempre enamorado da sua vinha, dedicou-lhe o melhor da sua vida, e ao longo das gerações –  transmitindo conhecimentos feitos de sabores testados -, se consolidou um vinho: o liquido precioso que um dia Julia de Melo Kemper decidiu dar a conhecer ao mundo

Em 2000, Julia de Melo Kemper, advogada de profissão, em Lisboa, foi chamada por seu Pai, também um Melo, António Melo, para continuar o legado da família Melo no DÃO. E foi assim no DÃO, e na Quinta do Cruzeiro, em Mangualde que Julia Kemper se tornou também numa agricultora.

Nas palavras da própria Julia, “não se olhe para as vinhas Julia Kemper  como uma sorte de herdeira escolhida. Eu recusei a herança vários anos!”

Mas um dia Julia Melo Kemper aceitou o desafio… e em 2003 (nas palavras da própria) “ dei início a uma das mais belas experiências que penso podemos ter”; talvez porque a final, nós, humanos, somos urbanos recentes e entrando em contacto direto com as leis da natureza algo desperta e de que não tínhamos consciência.” No meu caso, prossegue, “o facto de ter optado pela agricultura biológica – nem me passou pela cabeça  não tratar a minha terra como  o fazia com a minha família –  intensificou esta experiência da natureza. As minhas vinhas passaram a ser prados onde toda a vida labora, para me ajudar a produzir as melhores e mais saudáveis uvas para fazer vinho.

As “exigências” de Julia:

O vinho é para ser comercializado!

Os seus antepassados faziam o vinho para consumo interno. Nessa altura, o consumo interno abrangia um número “escandaloso “ (para o tamanho atual) de familiares. “Na minha família eram primos e tios, mais de 1000 pessoas. E depois, havia os amigos, os clientes. A todas estas pessoas eram distribuídos, todos os anos, dezenas de garrafas a cada.”

Os meus antepassados gostavam muito de participar com os seus vinhos em concursos, incluindo os internacionais (conhecida é a participação em Berlim, no princípio de 1900 onde o vinho obteve uma medalha de ouro). E a mais antiga participação de que há em papel é em Lisboa, em 1885.

Desde os primeiros vinhos, os da vindima 2008, os vinhos Julia Kemper têm recebido muitos prémios, escolhidos para os 50 melhores vinhos portugueses, por vários anos, apreciações de distinção  muito honrosas e classificações importantes, em todo o mundo! E são vendidos pelo mundo fora desde 2010.

E assim contamos a história da primeira marca de vinhos da Família Melo no DÃO, a dos vinhos Julia Kemper.